Quinta-feira, 17.01.13

Samizdat (Parte 2)

Movimento aparente, a ilusão de óptica do qual o cinema depende para existir, consiste numa série de sucessão rápida de imagens estáticas que criam a ilusão de movimento.

 

Ora, da ausência de política e da verdadeira democracia poderia levar à ideia conspirativa que existe um poder oculto, que decide, provavelmente reunidos numa cave escura, os destinos do mundo - uma ilusão. Se nem o cartel de lâmpadas eléctricas - Cartel Phoebus - durou mais do que quinze anos é improvável, para não dizer impossível, a existência deste poder nas sombras.

 

O que existe é um sistema que prospera numa espécie de automatismo cego. Um sistema que vive para si no qual a economia e a finança deixam de ser um instrumento de melhoria das condições de vida e são um fim em si mesmo.

 

O sistema encontra-se de tal forma enraizado que a mera sugestão de alguma relativização da importância da economia e equilíbrio é visto como um ataque intolerável ao próprio capitalismo.

 

- Samizdat (Parte 1)

tags:
publicado por CRG às 12:40 | link do post | comentar
Sexta-feira, 11.01.13

Samizdat (Parte 1)

Em Outubro de 1978, Václav Havel escreveu um dos mais famosos samizdat: "O poder dos sem-poder". E, se actualmente existe um sentimento dominante na população portuguesa não é cansaço, desalento ou tristeza mas sim impotência. 

 

Poderá parecer abusivo tentar comparar o presente contexto com a Checoslováquia sob o jugo da URSS, mas quando Havel fala em pós-totalitarismo refere que este é fundado no encontro histórico entre ditadura e a sociedade de consumo (sim, existia consumo por trás da cortina de ferro). Deste modo, no nosso encontro histórico entre a democracia e a sociedade de consumo surge, na minha opinião, a pós-democracia, termo cunhado por Colin Crouch, no qual a energia do sistema político, desaparecida da arena democrática, foi transferida para os acordos entre as elites políticas e económicas. A democracia e respectivas instituições estão reforçadas mas a política encontra-se vazia de conteúdo.

 

Por outras palavras, não existe democracia no seu sentido etimológico pois aquilo que é sufragado não tem correspondência no efectivo exercício de poder. O conteúdo da política está pré-determinado. Por sua vez, esta dissonância conduz a uma apatia perante a coisa pública, traduzido no frase "são todos iguais". O que aumenta ainda mais o fosso entre a política e o cidadão. 

 

O próprio espaço público, sequestrado por interesses privados (ex: estação de metro do chiado renomeado PT Blue station), contribuí para que o cidadão deixe de olhar para fora, preocupando-se apenas consigo mesmo.

 

Com efeito, no próprio ensaio Havel alerta o ocidente da tendência humana para cada pessoa, de alguma forma, sucumbir a uma profana banalização da sua humanidade inerente, e ao utilitarismo. Em todos nós há alguma vontade de fundir com a multidão anónima e fluir confortavelmente junto com ela descendo o rio de pseudo-vida. Isto é muito mais do que um simples conflito entre duas identidades. É algo muito pior: é um desafio para a própria noção de identidade própria.

tags:
publicado por CRG às 18:16 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

posts recentes

últ. comentários

  • Ups, as minhas desculpas :)
  • sem leitores o tanas
  • só posso assinar por baixo do que escreveu!!! Beij...

arquivos

tags

links

subscrever feeds

blogs SAPO