Quarta-feira, 11.01.12

Rapto da Europa

 

Se como afirma Vonnegut "We are healthy only to the extent that our ideas are humane." então a Europa padece de uma doença grave.

 

Os sintomas são claros: a Europa foi raptada não por um boi branco, como no mito grego, mas por ganância desmedida e egoísmo.

 

As estruturas de uma desunião permanecem silenciosas perante o descalabro social impostas por uma austeridade supostamente redentora; e a via anti-democrática que cresce a passos largos na Hungria, onde começam a ser criados campos de trabalho forçados para os que estão desempregados há mais de 90 dias, sob supervisão policial.

 

And so on.

publicado por CRG às 12:51 | link do post | comentar
Segunda-feira, 12.12.11

Cimeira

"Proverbs for Paranoids, 3: If they can get you asking the wrong questions, they don’t have to worry about answers."
Thomas Pynchon - Gravity's Rainbow

 


publicado por CRG às 15:51 | link do post | comentar
Segunda-feira, 14.11.11

Eu não sou chinês sou português (Duarte e Companhia)

No dia 9 de Novembro de 1989, o Muro de Berlim começou a ser derrubado, marcando o início do fim da Guerra Fria. Um fim surpreendente para um conflito que durara quatro décadas. Ninguém imaginava que um dos blocos implodiria por si, muitos julgavam que iria assistir-se a uma simbiose entre os dois modelos de desenvolvimento, uma síntese hegeliana.

 

O instinto estava correcto mas não ocorreu com a antí-tese imaginada. Em vez de existir uma sintese com o sistema soviético estamos a assistir uma síntese com o sistema chinês.

 

A partir do 1980, os governantes chineses foram sucessivamente substituidos por tecnocratas, fieis ao partido único, mas com um saber técnico e profissional que faltava aos "revolucionários originários". Esta alteração trouxe importantes implicações ao sistema político chinês (o original pode ser encontrado aqui):

 

- Em primeiro lugar, os actuais líderes chineses tendem a pensar que a política é como um projecto de engenharia, cada problema tem uma solução, e quando a solução é encontrada, o caminho para a verdade deve ser claramente seguido, não sendo sujeito a quaisquer vozes dissidentes;

 

- Em segundo lugar, a política, ao invés de um processo aberto em que as pessoas devem participar, se torna uma questão de engenharia social, com limites claros e soluções certas. Em algum grau, a elite na China têm praticado uma política de anti-política, isto é, tentando acabar com a deliberação, conflito e participação;

 

Em terceiro lugar, as elites chinesas sentem-se muito confortaveis na execução da política de projectos: Mega-projectos são o melhor local para demonstrar seus conhecimentos e legitimidade, procurar promoção, mostrando suas realizações, e também para mergulhar os dedos no cofre do Estado de suborno;


- Em quarto, o crescimento económico e prosperidade material são a marca registada de sucesso, os politicos chineses têm extrema dificuldade em compreender que as pessoas têm necessidades espirituais além do ateísmo e do materialismo;

 

Ora, ao olhar para o que se assiste diariamente na Europa e no mundo ocidental verifica-se que estamos a caminhar neste sentido. Um futuro com menos direitos, mais horas de trabalho e pior remunerado, o esvaziamento do discurso político e da legitimação pelo voto, por um poder tecnocrata alheado das aspirações dos eleitores.

publicado por CRG às 18:39 | link do post | comentar
Segunda-feira, 27.06.11

The Night They Drove Old Europe Down

publicado por CRG às 23:03 | link do post | comentar
Sexta-feira, 15.04.11

A culpa é nossa.

Houve um partido que foi contra a integração no euro nos moldes em que foram feitos. Esse mesmo partido foi contra a nacionalização do BPN. Esse mesmo partido foi contra os últimos PEC's. E agora o centro-direita diz que a culpa da actual situação é de todos?! Haja lata.

 

 

 

 

tags: , , ,
publicado por JSP às 12:34 | link do post | comentar
Sexta-feira, 08.10.10

República

 

A Comissão Nacional para as comemorações do centenário da República teve uma tarefa complicada: justificar a comemoração, e suas despesas, numa altura em que as instituições e economia estão em crise.

 

 

De facto, quando vemos os nossos lideres políticos a comportarem-se como os miúdos d' "O Senhor das Moscas" a tentarem apaziguar a Besta dos mercados com medidas de austeridade, torna-se difícil ficar entusiasmado com a República.

 

Faltou, porém, nestas comemorações discutir a ideia de coisa pública e, sobretudo, a ideia de sociedade.

 

A instauração da República francesa é o marco histórico que finaliza o Antigo Regime, que destruiu a ideia de uma estratificação estática da sociedade.

O individuo nasceu. As pessoas deixaram de serem vistas pelo prisma da classe (povo, nobreza, clero) a que pertencem. Iniciou-se o longo caminho da igualdade, da igualdade perante a lei e perante outros.

 

No entanto, este parto não se fez sem dores: as angústias individuais - o conflito entre a multiplicidade infinita de possibilidades e os limites de cada um -, a necessidade de pertença, a anomia. Desde essa altura que se tem assistido a um exacerbamento do culto do indivíduo, romperam-se os laços comunitários e de solidariedade. O resultado é uma sociedade mais egoísta.

 

E é precisamente em tempos de crise que o egoísmo é mais extremo e o "outro" é o alvo primordial. Sucede que na sociedade actual a inexistência destes laços todos são os "outros". Neste paradigma a União Europeia é posta em causa, a unidade de alguns países também o é (Bélgica). Haverá futuro numa organização baseada na solidariedade e união de povos? Enquanto isso a sombra de extrema-direita paira sobre toda a Europa alcançando um cada vez maior protagonismo.

 

Por esta banda discute-se as vantagens do princípio utilizador-pagador. De acordo com este princípio seriam os marinheiros a pagar o preço dos submarinos. Ultrapassada esta hipérbole, dá gozo ouvir os defensores deste princípio contar que não consegue entender como é que ele, felizmente tendo posses, paga uma ninharia pelo exemplar serviço hospitalar que usufruiu. Aqui vai uma ideia maluca: façam uma doação! A sério é possível e aposto que o Hospital agradece.

publicado por CRG às 11:37 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

posts recentes

últ. comentários

  • Ups, as minhas desculpas :)
  • sem leitores o tanas
  • só posso assinar por baixo do que escreveu!!! Beij...

arquivos

tags

links

subscrever feeds

blogs SAPO

Statcounter