Dízimo

Se o cristianismo para se consolidar e atingir a supremacia usurpou termos e tradições pagãs, actualmente sucede o mesmo processo com o "capitalismo". A expressão "criadores de emprego", a infalibilidade do mercado e os sacrifícios em nome destes - que não se devem atacar - são todos conceitos de origem religiosa.

 

Naturalmente, o passo seguinte é o dízimo: Europa gastou um décimo da sua riqueza para salvar bancos (da próxima vez que "uma pessoa muito responsável" afirmar que não há dinheiro para o Estado Social apresentem esta notícia).

Esta apropriação da iconografia cristã e a tomada de assalto do espaço público de questões puramente económicas tem ainda outros efeitos, porventura ainda mais perniciosos. Com efeito, qualquer visualização de um símbolo relacionado com dinheiro leva a que as pessoas dêem mais importância aos seus interesses do que ajudar terceiros*.

 

Amen

 

 

publicado por CRG às 13:36 | link do post | comentar