Think Ikebana

Ikebana é a arte japonesa de composição floral que privilegia a utilização da assimetria e do espaço livre, uma característica essencial. Um arranjo floral desconstrutivista em que o mais importante não está no que existe mas no que não existe; uma concepção minimalista em contraponto com o enfâse nas cores e na abudância de elementos dos arranjos florais ocidentais.

 

Os produtos da Apple, os produtos criados por Steve Jobs (budista) são, na sua essência, a aplicação do espirito de Ikebana à tecnologia. 

 

Os críticos de Jobs sempre o acusaram de não ser um verdadeiro inventor mas um mero plagiador porquanto todos os seus produtos eram versões renovadas dos produtos que já existiam: o famoso Xerox Alto, os leitores mp3, os telemóveis com ecrâ tactil, ou os tablets. 

 

Na verdade, o sucesso de Jobs, e a sua verdadeira mais-valia, baseia-se na arte de retirar o acessório e manter o essencial - tirou-nos o leitor de disketes, os modems de dial-up, os leitores de dvd, flash, firewire, etc - enquanto que todas as outras empresas procuram adicionar um sem número de novas opções, que acabam por ficar esquecidas no meio de inúmeros menus.

 

Da mesma forma que Ikebana procura unir o homem com a natureza, Steve Jobs procurou que a tecnologia estivesse sempre ao serviço do homem, da sua criatividade. E ele lá conseguiu uma e outra vez.

 

 

publicado por CRG às 13:28 | link do post | comentar