N'América - da companhia.

 E pronto, último post sobre a ida a Nova Iorque. Amanhã é dia de trabalho, de voltar à realidade de cá, de seguir em frente.

E reservo o último post para a companheira de viagem, a Sofia. Sem ela acho que me tinha perdido várias vezes. Não percebo o que me aconteceu lá. Acho que é por ser ilha, por estar rodeado de água, por estar divido entre avenidas e ruas com nomes... Sei lá, dizer que tal sítio é entre a sétima e a 48 não me fazia lá muito sentido. E nunca sabia quando estávamos em direcção a uptown ou downtown. Mas a Sofia lá estava, com o seu mapa nas mãos nos primeiros dias, quase já sem mapa para os dias finais. E eu seguia. E mais valia estar caladinho que as minhas opiniões normalmente saíam para o torto. 

Aguentou 10 dias comigo, dez dias de piadas parvas, de cantorias, de algumas mudanças de humor, de crises intestinais, de indecisões em prendas... É obra. Eu próprio às vezes preciso de férias de mim. Da minha parte, adorei a companhia dela, com excepção da parte em que insistia em pedir desculpa por estar a demorar muito tempo nas compras. Nova Iorque para as pessoas normais passa muito por compras, eu é que andava errado lá. E a Sofia lá comprou botas e casacos e prendas e postais e canecas. E aqui o je? Humpf...

Foi a companhia perfeita para uma viagem excelente.

Valeu a pena? Valeu pois!

publicado por JSP às 23:30 | link do post | comentar