Leituras

Como diz John Self: ler tira-nos muito tempo, ir, por exemplo, da página 21 à 29, tem que se passar pela página 23, 25, 27, sem contar com as páginas pares 24, 26, 28; demora demora.

 

Acresce que se vive cada mais rápido. Fast-food. Speed dating. Eliminam-se tempos mortos: ouve-se música, liga-se iphone, net, e-mails, facebook, abre-se aplicação, joga-se angry birds, lança-se um tweet, check-in na padaria...Não se desperdiça tempo: multi-tasking. Já não se espera. Saca-se o último episódio da série, que estreou apenas ontem, no lado de lá do Atlântico, para o ver no ipod a caminho do trabalho.

 

Neste contexto, como posso sugerir a leitura de um livro com mais de 1000 (mil!) páginas e centenas de notas de rodapé, algumas que se prolongam por várias páginas? Como posso sugerir a leitura de um livro cujo autor ao longo dessas mais de 1000 (mil!) páginas por vezes parece abusar da atenção e da paciência do leitor com pormenores demasiado detalhados sobre questões laterais? Como posso sugerir um livro de difícil leitura, é uma espécie de puzzle que se vai lentamente construindo? Como posso sugerir um livro que não se encontra traduzido em português e presumo que não o será num tempo tão próximo? Como posso sugerir um livro que tem o seu próprio wikipedia?

 

Sempre poderei falar da crítica, dos prémios, do impacto que teve e que ainda têm na cultura americana. No entanto, corre-se o risco de ser mais um daqueles livros que todos compram e que ninguém lê. Recuso-me, igualmente, a afirmar que o livro mudará a vida de alguém ou que é de leitura obrigatória. Nenhum é. 

 

Assim, apenas digo que adorei todas as longas horas que "perdi" com ele. Encontra-se repleto de pequenos brindes e pérolas, de humor, de tristeza, de filosofia. É uma obra de verdadeiro génio.

publicado por CRG às 11:36 | link do post | comentar