Um Dia na vida de Ivan Denisovich

Na sua cama improvisada, coberta de cobertores sujos e rasgados, Denisovich acorda doente. Levanta-se a custo. Cumpre o castigo por ter-se deixado dormir alguns minutos. No exterior, com temperaturas negativas, trabalha arduamente, acompanhado da sua equipa, até ao fim do dia. Condenado a dez anos de trabalhos forçados por um crime que não cometeu, Ivan não se queixa: não pode mudar nada, resta-lhe tentar sobreviver como pode porque tem a noção que as coisas podiam ser bem piores. Adormece feliz por ter tido um dia de trabalho proveitoso, o livro acaba.

 

O FMI chegou, e, não sei porquê, lembrei-me deste livro de Soljenítsin. A mente humana tem por vezes coisas estranhas.

 

publicado por CRG às 17:51 | link do post | comentar