Cidades



As cidades tem algo de orgânico. São vivas, pulsam energia. O meu Porto, cidade sombria, nascida de granito é como o nosso melhor amigo em que se pode confiar tudo. Não é uma paixão, nem tão pouco um amor à primeira vista. Possui carácter,  humores que variam ao longo do dia, as manhãs cinzentas, tardes de sol e calor, e noites gélidas que convidam a uma bebida quente soterrado em cobertores.

Vive, agora, um momento de crise. Crise no seu sentido etimológico. Mas é e será sempre a minha Cidade! É nas suas ruas que me encontro porque lá estão as minhas memórias. E se vejo com alguma melancolia as obras que se desenrolam perto de mim é porque aquele muro também é meu. Não é feito de simples pedra e cimento. É feito de tempo.
publicado por CRG às 18:29 | link do post | comentar