Schadenfreude

Existe um certo orgulho pátrio por termos no nosso vocabulário uma palavra intraduzível para outra língua: saudade. No entanto, outras culturas têm palavras que conseguem resumir igualmente uma série de emoções. Na Alemanha, por exemplo, há uma palavra que infelizmente não tem correspondência em português: Schadenfreude, que significa tirar prazer do azar ou infortúnio de outrem, como quando nos rimos a ver alguém a cair.

A diferença, porém, entre este conceito e sadismo afigura-se que terá a ver com a qualidade do outrem: ninguém se ri se uma idosa cai desamparada (a menos que seja sádico, lá está!) mas não conseguimos conter as gargalhadas se um motociclista estatela-se no chão enquanto tentava fazer um "cavalinho".

 

E, esta semana, confesso que nada me deu tanto prazer como os 3 do Hapoel ao Benfica, os maiores melhores do Mundo e quem sabe da Europa, futuros vencedores da Champions, que apenas a fruta e o sistema os impediam de alcançar a glória suprema.

 

É que, ao contrário do politicamente correcto, não considero uma aberração sentir Schadenfreude quando os nossos rivais internos se despenham na Europa. Claro que racionalmente é inexplicável mas a rivalidade é isso mesmo: uma ligação emocional muito forte, de muitos anos, e apenas possível com algo que nos seja próximo. Por esta razão é que a existe aquela carga emocional dos "derbys" e dos clássicos. Nos outros países é até visto com uma certa naturalidade: perguntem aos adeptos do Manchester City se gostaram de ver o United a ganhar a Champions ou se os do Real apoiaram o Barcelona no mundial de clubes! Considero que, em certa medida, é elogioso, sempre é melhor do que a completa indiferença.

 

E para terminar o apogeu de Schadenfreude em vídeo:

 

 

 

 

 

publicado por CRG às 10:58 | link do post | comentar