Quarta-feira, 27.02.13

Sail Away

publicado por CRG às 13:36 | link do post | comentar
Segunda-feira, 25.02.13

Truísmos

O uso excessivo de ironia fez com que esta, em vez de servir como forma de desmascarar as hipocrisias da realidade, se transformasse num instrumento de defesa sofisticado destinada a justificar compromissos, a desculpabilizar a realidade, permitindo que os seus utilizadores planassem sobre esta. No fundo passou a ser um artificio utilizado pelo prisioneiro que ficou a adorar a sua cela.

 

A tirania da ironia revela-se não só na realpolitik mas na submissão resignada do sujeito ao mundo que o rodeia: a aceitação consciente do estado das coisas actuais e futuras e correspondente aproveitamento sob o manto de "todos assim o fazem".

 

A discordância dessa imutabilidade, a esperança numa verdadeira mudança é visto com sobranceria: um desejo simplista e anacrónico, defendido por demagógicos e populistas. 

 

Intelectualizou-se tanto que os truísmos, as verdades evidentes por si mesmas, e todos os resquícios de moralidade são considerados datados, uma ingenuidade de outros tempos, mais simples, inaplicáveis aos tempos complexos de hoje. Um tempo de difusão de responsabilidades da qual o sujeito abdica em nome da liberdade para nada fazer.

publicado por CRG às 15:24 | link do post | comentar
Sexta-feira, 15.02.13

Encolher os ombros

Perante os números negros do desemprego, perante a contracção de 3,2% do PIB o Governo encolhe os ombros, que, segundo Roberto Bolaño, tanto pode significar "que uma pessoa não sabia nada ou então que a realidade era cada vez mais vaga, mais parecida com um sonho, ou então que tudo ia mal e que o melhor era não perguntar nada e armar-se de paciência".

 

Ou então, digo eu, é tudo isto um pouco.

tags: ,
publicado por CRG às 15:05 | link do post | comentar
Quinta-feira, 14.02.13

Custos afundados

Se partirmos do pressuposto benigno que a queda do PIB e o aumento exponencial da taxa de desemprego não era um objectivo consciente das políticas do governo e da troika a única explicação para a falta de alteração substancial dessas políticas reside na falácia dos custos afundados.

 

Esta descreve o fenómeno que se manifesta quando se verifica uma insistência numa decisão com base no investimento acumulado anterior, apesar de evidências sugerindo que esta decisão encontra-se errada, levando inclusivamente a uma "escalada de compromisso" (ex: corte de € 4 mil milhões).

 

Por sua vez, um dos requisitos fundamentais para a ocorrência desta falácia é a responsabilidade pessoal, ou seja, incorrem nesta falácia os que se sentem responsáveis pelos investimentos errados. E, impede que estes voluntariamente procedam a qualquer mudança.

 

Até quando?

tags:
publicado por CRG às 13:00 | link do post | comentar
Sexta-feira, 08.02.13

Hugo Stinnes

 

Na República de Weimar, Hugo Stinnes, um milionário industrial alemão, aumentou consideravelmente a sua fortuna aproveitando-se da hiperinflação que assolava o país. Stinnes serviu-se de empréstimos, muitas vezes do governo e de outros fontes oficiais, para especular com sucesso a contínua desvalorização do Marco alemão. 

 

Em sua defesa não se conhecem relatos de alguma vez ter dito aos seus contemporâneos para que aguentassem.

publicado por CRG às 14:46 | link do post | comentar
Terça-feira, 05.02.13

A enxurrada de legislação está a transforma o direito num Calvinball

tags:
publicado por CRG às 11:16 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

posts recentes

últ. comentários

  • Ups, as minhas desculpas :)
  • sem leitores o tanas
  • só posso assinar por baixo do que escreveu!!! Beij...

arquivos

tags

links

subscrever feeds

blogs SAPO

Statcounter

Posts mais comentados