Sábado, 31.03.12

Mata-me outra vez!

Em conversas com amigos, vi muitos deles pouco animados com este regresso de Ornatos. Dizem que fez sentido na altura, que o Manel da altura já não é o de agora, que parece uma tentativa de fazer dinheiro. Para mim, nada disso me interessa. As músicas dos Ornatos ainda me dizem alguma coisa? Sim? Então vamos a isso! E bilhete para o coliseu do Porto já cá canta.

 

publicado por JSP às 18:29 | link do post | comentar
Quarta-feira, 28.03.12

Tonecas

 

Infelizmente, parece que o Ministro da Educação não é leitor deste blog (pausa para espanto) porque se o fosse tinha lido este artigo, e, pelos vistos, também não liga muito ao New York Review of Books, temos pena. 

 

Porque assim teve a ideia brilhante de anunciar o regresso de exames no fim do quarto ano de escolaridade, que valerão 30% da nota final do aluno, tornando Portugal caso único na Europa. Voltando a Almeida Negreiros "Em Portugal educar tem um sentido diferente; em Portugal educar significa burocratizar."

 

No entanto, o actual Ministro da Educação conseguiu - o que não era nada fácil, pelo que é merecedor de elogios - ter uma ideia ainda pior: pretende permitir a constituição de diferentes grupos de estudantes consoante o seu rendimento escolar.

 

Uma das teorias mais famosas de sociologia é a chamada Labeling Theory, que foca a forma como a identidade e o comportamento de indivíduos pode ser determinada ou influenciada pelos termos usados para os descrever ou classificar. Existe a criação de um estigma que depois o individuo procura seguir, visto que é papel que a sociedade espera que ele reproduza.

 

Esta teoria é sobretudo utilizada na área da criminologia mas há diversos estudos (aqui e aqui) que transpuseram a sua aplicação para a sala de aulas com eficácia.

 

Assim, a divisão entre bons e maus alunos produz efeitos contrários ao pretendido, encerra o aluno no papel de mau, fecha os seus horizontes. Não só o aluno conforma-se com o que é esperado dele, isto é, que seja um mau aluno, como também os professores conformam-se com esse estatuto, modificando subconscientemente a forma como se relacionam e interagem.  

 

publicado por CRG às 11:37 | link do post | comentar
Terça-feira, 27.03.12

FMI

 

No topo das montanhas, reunidas certas condições, acontece o fenómeno da imagem, designado como "Espectro de Brocken": uma sombra que se estende por diversos quilómetros e um halo.

 

Neste momento, a sombra de resignação cobre Portugal. Resignação à pobreza, ao desemprego, às insolvências, à deterioração das condições de vida. Sobre o halo de saber técnico e competência é vendida a narrativa de excessos, de uma vida acima das possibilidades do país, que apenas o regressar à casa portuguesa pobre e asseada pode resolver.

 

Os factos, os números não corroboram esta narrativa. Houve alguns excessos, sem dúvida, como sempre houve. No entanto, estes excessos não invalidam a busca de qualidade de vida, de uma sociedade menos desigual, mais justa...

 

Parafraseando Almada Negreiros: os jovens forçados a emigrar, que são cada vez mais, não têm culpa de serem portugueses e têm o direito a uma pátria que os mereça.

publicado por CRG às 13:59 | link do post | comentar
Domingo, 25.03.12

Triumph

publicado por CRG às 19:56 | link do post | comentar
Quinta-feira, 22.03.12

Da greve

Este tipo de greves é como dizer uma asneira como resposta à dor: não resolve, pode incomodar terceiros mas alivia.

 

publicado por CRG às 11:07 | link do post | comentar
Quarta-feira, 21.03.12

No taxation without representation

Na ficcional República de San Lorenzo, o culto da religião "Bokonismo" é punida com pena de prisão. E, no entanto, todos os seus habitantes são praticantes do bokonismo, inclusivelmente o seu ditador.
Conforme parodiado por Vonnegut a criminalização de determinado comportamento é por si só insuficiente para que a sua pratica deixa de existir. Fiscalização e assimilação das normas por parte da sociedade são factores bem mais preponderantes: Teoria das Janelas Partidas.
As formas de evitar a evasão fiscal passam, assim, por um uso criterioso e produtivo dos fundos públicos e, sobretudo, por um cumprimento pontual do contrato social, o que não tem sucedido, por exemplo quando o nosso "de facto" 1º Ministro afirma que o subsídio de desemprego será apenas para quem precisa.
Um Estado que não actua de modo sério produz um manto de cinismo sobre os cidadãos: perante o não cumprimento do Estado é mais do que natural que o vínculo se rompa e, em sentido contrário, o seu cumprimento fortaleça esse vínculo. 
publicado por CRG às 17:40 | link do post | comentar
Segunda-feira, 19.03.12

Forever Young

tags:
publicado por CRG às 12:57 | link do post | comentar
Sexta-feira, 16.03.12

Gravitas

 

No início do ano, a Mercedes-Benz usou a imagem de "CheGuevara para tentar vender carros de luxo. Por cá a Câmara Municipal de Santa Comba Dão procura rentabilizar a marca "Salazar".

 

Os líderes religiosos sabiam que o excessivo uso de símbolos, a sua banalização conduziam ao seu esvaziamento, tornavam-se simples caricaturas (como nos exemplos supra). E, por isso criaram a figura da blasfémia. Os nossos juízes, por sua vez, consideram que nas partes do território nacional (norte) em que existe um uso corrente e regular de palavras consideradas injuriosas estas perdem parte da sua gravidade. 

 

gravitas de uma palavra, o seu peso e importância, desgastam-se pois com o uso, erodindo um pouco com cada utilização - sempre que é pronunciada, escrita - até restar simples sons, leves como o vento, sem peso, sem gravitas.

publicado por CRG às 11:54 | link do post | comentar
Quarta-feira, 14.03.12

Arco-iris

 

Acabei de ler "Gravity's Rainbow" de Pynchon* (pausa para aplauso). Este livro, com cerca de 900 páginas e mais de 400 personagens, um labirinto de becos sem saída e episódios surreais que faz com o que os filmes de David Lynch pareçam uma narrativa linear, famoso por ter sido galardoado com o prémio Pulitzer, decisão que foi revogada pelos restantes membros do júri, é um puro sangue dificil de domar. A qualquer momento parece que nos foge, torna-se incompreensível, mas do mesmo modo rápido que dispara para a estatosfera regressa ao nosso controlo, domado mas capaz de nos surpreender com belas passagens que nos deixam com mais perguntas do que respostas.

 

E o que dizer do livro? Gostei. Qual é a história? Como assim. O enredo? Não percebo a pergunta, qual é a história do "I am the Walrus"? É uma viagem, uma reflexão sobre o destino, apocalipse, destruição, amor, submissão, poder. 

 

 * Famoso por não ser famoso: a sua vida privada é privada, não dá entrevistas nem embarca nas chamadas "tournées de livros" e as únicas fotos conhecidas são dos seus tempos de faculdade.

publicado por CRG às 11:39 | link do post | comentar
Segunda-feira, 12.03.12

Spirits In The Material World

tags:
publicado por CRG às 14:45 | link do post | comentar
Quinta-feira, 08.03.12

Mulher

O género das palavras nunca, ou raramente, são aleatórias, fruto de meras coincidências. Na sua génese há uma explicação, uma sombra metafísica que penetra, que lhes dá uma carga especial. 

 

É assim sem surpresa que a palavra "bússola" é feminina. A Mulher, quem mais, ajuda-nos a chegar ao nosso destino. Ela é a origem: o ventre, a mãe natureza. Ela é o fim: a casa que ansiámos chegar no fim do dia, os braços aparentemente fracos mas que nos suportam como na Pietà. Novalis afirmou "Casa. Viajamos sempre para casa." ao que acrescento que ela, a Mulher, é sempre a nossa casa, que nos prende à Terra, que dá significado. 

"But he wanted to believe it too, the same way he loved her, past all words - believe that no matter how hard the time, nothing was fixed, everything couldbe changed and she could always deny the dark sea at his back, love it away." 

 

tags:
publicado por CRG às 17:50 | link do post | comentar
Terça-feira, 06.03.12

Tempos que correm...

tags:
publicado por CRG às 16:42 | link do post | comentar
Sexta-feira, 02.03.12

Prognósticos? Só no fim do jogo...

publicado por CRG às 10:55 | link do post | comentar
Quinta-feira, 01.03.12

Alea jacta est

Nos meus tempos de escola havia um jogo de cartas no qual um dos jogadores tomava a posição da banca, e sempre que havia um empate a vitória sorria a este, seguindo a frase "empate empate ganha o banqueiro". Eu não apreciava muito este jogo - a não ser que fosse o banqueiro - porque achava injusto esta primazia sobre os restantes jogadores.

 

Agora já crescido verifico que já não seria mau se o banqueiro apenas ganhasse quando fosse empate: entre 2008 e 2010 a zona euro entregou à banca 1,6 biliões de euros (a juros baixos), o que equivale a 18% do montante da "ajuda" a Portugal, Irlanda e Grécia (a juros bem mais elevados). Se pensarmos que parte desta "ajuda" teve como destino o resgate de alguns bancos e avales a outros verifica-se que existe um verdadeiro roubo. Uma transferência de recursos enormes para instituições financeiras sem quaisquer contrapartidas ou reformas importantes das suas actuações especulativas.

 

E não se vê o fim. No passado dia 27 o BCE reforçou o financiamento à Banca, que pode atingir os € 470 mil milhões a taxas de juros a rondar 1%. No fundo os actuais banqueiros são todos anarquistas - como descreveu Fernando Pessoa - livres, livres de todas as ficções sociais.

tags: ,
publicado por CRG às 12:59 | link do post | comentar

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

posts recentes

últ. comentários

  • Ups, as minhas desculpas :)
  • sem leitores o tanas
  • só posso assinar por baixo do que escreveu!!! Beij...

arquivos

tags

links

subscrever feeds

blogs SAPO

Statcounter

Posts mais comentados