And then there were three.

E o auto-convidado sou eu. Não cheguei tarde ao projecto, cheguei quando tinha de chegar.
Os meus colegas de blogue dedicaram os seus primeiros posts a falar das cidades. Acho que também eu devia dizer algo sobre o assunto.
Sou do Porto, vivo em Gaia, adoro Barcelona. Digo eu que adoro Barcelona, pois a verdade é que a visão que eu tenho da cidade é de alguém que a visitou como turista, que viu os locais certos, às horas certas, no tempo certo, com as pessoas certas. Não imagino como é viver lá, ao contrário da Sofia. (Uns dias na casa de Barcelona do CRG não chegou para compreender).
Sou do Porto porque sim. Porque calhou. Porque teve de ser. Já houve tempos em que amava esta cidade e nunca a punha em causa, mas agora... agora! Este tempo, esta gente, este trânsito, este cinzento constante, esta claustrofobia de cidade que se quer europeia mas que não passa de uma grande aldeia... aborrece-me! Acredito que este aborrecimento também se deva à situação politica, cultural e urbanística da cidade. As constantes obras do metro, das ruas e dos túneis e o aumento incrível de semáforos na baixa, dá vontade de trazer o portuense ao de cima e gritar: "Porra! Mas quando é que esta merda vai acabar, caralho? Hein?" E ainda temos direito a um cartaz da câmara municipal do Porto junto às obras a dizer: "Aplicamos bem os seus impostos".
A nível cultural e político... bem... a situação é conhecida...
Certa noite tirei a foto que ilustra este post. Foi numa noite em que o Porto era A cidade.
Pode ser que volte a ser.

tags:
publicado por JSP às 01:19 | link do post | comentar