País dos poetas mortos

Em "Seize The Day", Bellow critica, entre outras, a ideia romântica de que o presente é tudo o que há; o passado e o futuro não existem. A personagem principal (Tommy Wilhelm), um misto de orgulho e de baixa auto-estima, encontra-se numa profunda crise. Sem dinheiro e sem trabalho procura uma solução rápida, alguém ou algo que o ajude a ultrapassar a crise. Tommy acaba por se deixar seduzir pelo "carpe diem" do Dr. Tamkin, e, seguindo o seu conselho, arrisca as suas últimas poupanças num investimento bolsista arriscado, que não resultou.

 

Durante anos, Portugal, a fim de cumprir o défice de 3% do PIB via-se obrigado a tomar medidas ad-hoc, comprometendo receitas futuras e respectiva sustentabilidade das contas públicas (como agora se costuma dizer).

 

Com a troika o "carpe diem" à Dr. Tamkin tomou novas proporções. Em nome de um objectivo irrealizável destroi-se a economia, a sociedade e o futuro: um percurso suicida. Nada surpreendente pois, tal como escreveu Unamuno, "Portugal é um povo de suicidas, talvez um povo suicida."

tags:
publicado por CRG às 12:17 | link do post | comentar