"...E viveram felizes para sempre"

Esta frase termina a maior parte das histórias que são contadas às crianças. Após uma série de desventuras, o fim desejado e alcançado é um estado perpétuo de felicidade. Desde novos que somos doutrinados que este estado corresponde ao alcançável e desejável - sem pressão, claro.

 

A felicidade tornou-se num vício e a sua impossibilidade de constância numa fonte inesgotável para o marketing e publicidade. Todos os produtos ou vendem a ideia de criação de felicidade ou que acrescem tempo livre às nossas vidas de forma a permitir fazer o que se gosta, que implicitamente é sinónimo de felicidade.

 

Sucede que a felicidade - como os escritores de distopias e os heroinómanos descobriram - apenas faz sentido se corresponder a um momento singular, único e especial. Caso contrário não haveria felicidade, apenas um torpor.

publicado por CRG às 13:30 | link do post | comentar