Mr. CRG went to Brussels (parte 4)

 

Da mesma forma que aprendemos a desconfiar dos clássicos cinco sentidos (somos obrigados a efectuar um esforço mental para sobrepor a intuição de que as duas linhas na imagem supra não são idênticas) é imprescindível estar alerta para os nossos erros lógicos, porque, como diz David Foster Wallace, "a validade lógica não é uma garantia da verdade". 

 

Na prossecução e fundamentação de políticas existe a tentação facilitista de justificar medidas vistas isoladamente através de um teste lógico: fará sentido que um desempregado pague o mesmo por uma intervenção cirúrgica que alguém da classe alta; fará sentido que as empresas de transporte público sejam deficitárias; fará sentido que os alemães paguem os problemas dos países do Sul.* 

 

Ora, por diversas vezes o que à primeira vista e descontextualizado faz sentido encontra-se errado ou acaba por ser contraproducente, como sucede com o paradoxo da poupança: se todos pouparem ao mesmo tempo a dívida de todos aumenta. 

 

A questão não se resolve com mais informação, como alguns congressistas nos quiseram fazer acreditar, nem com melhor informação - apesar de ser cada vez mais essencial. O importante é manter e incutir nos cidadãos um espírito crítico, não conspirativo; inquisitivo e equilibrado, sem resvalar em cinismos e relativismos. 

 

* Faz. A sua explicação está bem documentada pelo que julgo desnecessário insistir neste aspecto, até porque ultrapassaria o escopo do post.

 

tags: ,
publicado por CRG às 12:01 | link do post | comentar