Não me obriguem a ir para a rua...15 de Setembro de 2012

O anúncio da passada sexta-feira de Passos Coelho a reduzir o salário mínimo nacional, decorrente da transferência de encargos das empresas para os trabalhadores, conseguiu violar o sentimento de justiça na maior parte dos portugueses. A partir daquele momento foi ultrapassado um limite, uma linha invisível que ninguém consegue explicar mas sentida por todos.

 

Eu nunca fui a nenhum manifestação, não porque não as achasse importantes ou não concordasse com o que defendiam, mas porque não via na minha intervenção qualquer efeito útil, isso e alguma preguiça.

 

E o que mudou para que eu tenha vontade de ir à manifestação marcada para o dia 15 de Setembro? Em termos políticos receio que irá ter efeitos quase nulos - gostava que tivéssemos um Governo que unisse o povo de forma a reivindicar junto da Europa alterações necessárias - mas procuro alguma paz de espírito, tomar uma posição hoje significa sair de casa, porque como disse Bevan "sabemos o que acontece a quem fica no meio da estrada. É atropelada." 

tags:
publicado por CRG às 12:44 | link do post | comentar