Eusébio

Gostava do Eusébio. Durante muitos anos foi o "abono de família" do SLB dando-lhe golos, títulos, cachets. E, mesmo assim, gostava do Eusébio, não era só respeito, gostava mesmo. Aquelas arrancadas, remates potentes feitos com graciosidade e alegria de um sobre-dotado; o seu fair-play em campo, as lagrimas após a derrota no mundial de 1966 - tudo isto faziam-me gostar do Eusébio, transcendendo qualquer fervor clubístico.

 

Não alinho no discurso moralista dos "role-models", nunca procurei perfeição e sobreponho as qualidades artísticas a qualquer defeito de carácter (dentro dos limites mínimos "olá Albert Speer"). Por isso nunca liguei muito a algumas frases menos felizes do Eusébio: acusações de racismo ao seu antigo clube de Moçambique ou algumas entrevistas fabricadas no jornal "A Bola".

 

E agora o Pantera Negra faz 70 anos e deixei de gostar dele, perdi o grande respeito que tinha. Isto não é digno de um dos melhores jogadores do mundo de sempre. Estou triste e zangado...

publicado por CRG às 12:52 | link do post | comentar